segunda-feira, 1 de maio de 2017

VIDAS

"Os cientistas dizem que somos feitos de átomos, mas um passarinho me diz que somos feitos de histórias."


(Eduardo Galeano)

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

CAMINHOS

"Esse mundo da não-morte, esse mundo da sabedoria e do discernimento e da compaixão, eu creio que é isso que todos nós buscamos. Temos diversos ecos com os ensinamentos do Evangelho.

A primeira frase de Jesus é: Metanoie-te. Que muitas vezes é traduzido por: Convertei-vos. Como uma tradução da palavra hebraica Teshuvá, que significa voltar para si mesmo, voltar para sua terra.
Os antigos diziam que a conversão é voltar daquilo que é contrário a nossa natureza para aquilo que lhe é próprio. Reencontrar em nós essa natureza do Cristo. Essa natureza que é ao mesmo tempo luz e compaixão.
Mas qual caminho tomar?
E é aqui que a palavra Metanoie-te é importante. Assim como na palava metafísica, o radical meta significa além, por além, do mental. 
Metanoie-te é um convite a irmos além do mental. Ou seja, na maior parte do tempo vivemos em nossos pensamentos, não vivemos a realidade, vivemos na realidade interpretada; sejam as interpretações positivas, negativas ou neutras da realidade. E trata-se de irmos além dessas representações, e entrarmos num olhar puro, virgem, de todas as projeções; um olhar esvaziado de todas essas projeções que projetamos sobre o real. Não vemos a realidade, mas sim as imagens, as ideias, julgamentos sobre a realidade, e trata-se de sair dessa ilusão. Me lembro de um encontro que tive com Dalai Lama, e lhe perguntei o que era Nirvana, e ele me respondeu: Ver tudo tal como é.
Confesso que num primeiro momento isso não me fez voar tão alto. Mas é a realidade, nós não vemos as coisas como elas são, e jamais vimos; só conseguimos ver através de nossas projeções, atrações, repulsões, todas essas memórias do passado. 


Aqui temos uma palavra do Evangelho, e que também encontramos seis séculos antes de Cristo, no cânon budista, quando Jesus diz: Isso é, Isso é. Isso não é. Isso não é. Tudo o que falamos a mais, vem do mal, vem do mental. Mental e mentira vem da mesma raíz. Então, trata-se de vermos as coisas tais quais elas são. (...)

O texto da Vulgata diz: Es es, non es, non es. ( Aquilo que é, é; aquilo que não é, não é.) E tudo aquilo que falamos a mais são sobreposições que nos afastam do real.

Metanoie-te, trata-se de purificar nosso olhar. Olhar com clareza, com lucidez. E será neste olhar lucido que poderemos amar verdadeiramente, que nós podemos amar além das nossas atrações e repulsões, que faz que sejamos capazes de amar inclusive nossos inimigos. Isso não é algo natural, uma vez que temos dificuldade de amar nossos próprios amigos, amar aqueles que nos amam é normal, mas amar aqueles que não nos amam isso se supõe uma enorme liberdade, e será através dessa liberdade que o Evangelho e o Cristo nos irão conduzir. 
Esta liberdade do qual Ele nos dá testemunho.
- Perdoai-os, eles não sabem o que fazem

Nós não sabemos o que estamos fazendo, não sabemos o que estamos dizendo, não sabemos o que estamos pensando. Nós precisamos desta compaixão, para não fecharmos os outros em seus atos ou palavras. Esta é a própria experiência do perdão: não fechar o outro dentro de seu karma;não fechar os outros dentro das consequências negativas de seus atos; e também nós mesmos, não nos fecharmos nas consequências negativas de nossos atos. Aqui há esta noção importante do karma, enquanto o encadeamento de causas e efeitos.

Nada daquilo que fazemos é sem consequências, e isso nos trás o sentido da responsabilidade, e é a isso que a tradição judaica e a tradição cristã chama de justiça, justiça imanente. Colhemos as consequências de nossos atos. Essas são palavras do Evangelho - Colhemos aquilo que semeamos. 
Existe então uma justiça, mas existe algo mais profundo que a justiça, esse fundo de misericórdia, esta possibilidade de perdão, que abre uma saída para nosso karma, onde não ficamos completamente fechados nas consequências de nossos karma, e este despertar não é somente para a próxima vida, mas que pode ser vivido nessa própria vida.

Os dois ladrões que foram crucificados ao lado de Cristo me surpreendem. Um deles diz: Salve a ti mesmo. E ele continua a insultar o Cristo. O outro diz: Estamos vivendo aqui a consequência de nossos atos, mas este homem no meio de nós nada fez de mal. E neste momento ele se volta para o Cristo e diz: Lembre-se de mim no teu ReinoLembre-se de mim no Reino do teu Espírito. E neste momento Jesus lhe diz: Hoje mesmo estarás comigo no paraíso. Ele não diz, que ele deverá vir numa próxima vida, para purificar as consequências dos seus atos. Mas, através deste ato de fé, de confiança, no poder do amor e da misericórdia, você poderá entrar hoje mesmo na consciência do despertar.(...)

Esse espaço em nós da não-morte, esse espaço em nós que já é livre, esse espaço em nós que já está salvo, em hebraico 'estar salvo' quer dizer respirar largo, amplo - Yesha. No nome de Yeshua ( Jesus em hebraico ) existe esta mesma raíz - Yesha . O nome de Jesus ( Yeshua ) significa - Deus salva. Quando invocamos o nome de Jesus, ( Yeshua) nós invocamos em nós este espaço de liberdade, de libertação, é importante lembrarmos disso; Este espaço já está aqui.

Me lembro que, quando perguntaram a Sri Ramana Maharshi para onde vais após a morte, e ele responde: Eu vou para onde Eu Sou desde sempre. 

E esta também é a resposta do Cristo: Lá onde Eu Sou também quero que vocês sejam. Esta consciência na qual me encontro, esta relação com a Fonte, que na minha linguagem chamo de Pai, esta relação com o princípio de toda existência, também é aí que vocês podem estar.

É importante lembrarmos que em algum lugar dentro de nós mesmos, já estamos despertos, já estamos salvos. Trata-se de tomarmos consciência deste dom que nos é dado, a isso chamamos de Graça, é algo gratuito, algo que não merecemos, mas uma realidade a qual podemos nos abrir. 

A isso na tradição cristã chamaremos de Sabedoria, ou seja, o conhecimento do Ser, o conhecimento do espaço infinito que está em nós. Este infinito é fonte de bondade. São palavras de Jesus: O sol brilha sobre os bons e os ruins; sobre o ouro e sobre o lixo.

Trata-se de despertar em nós este sol, esta presença, e todos os ensinamentos do Evangelho tem por objetivo este despertar; assim como todos os ensinamentos de Buda, tem como objetivo o despertar para essa bondade primordial.
Creio que as últimas palavras de Buda foram: Seja uma luz para si mesmo. Não sigam apenas o meu ensinamento, mas sejam uma luz dentro de vocês."

Jean- Yves Leloup

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

HÁBITOS

"Os bons hábitos são teus melhores amigos; preserva seu poder, alimentando-os continuamente mediante boas ações. Os maus hábitos são teus piores inimigos; te forçam a atuar contra a tua própria vontade, a adotar uma conduta nociva. Deterioram tua vida física, social, moral, mental e espiritual. Não continues alimentando teus maus hábitos com más ações; deixa-os morrer de inanição.

A verdadeira liberdade consiste na capacidade para seguir, em toda atitude, o curso indicado pelo discernimento correto e pela livre escolha. Por exemplo, come aquilo que te beneficiará e não necessariamente aquilo a que estás habituado.

Tanto os bons como os maus hábitos requerem um certo tempo para adquirir poder. Maus hábitos crônicos podem ser substituídos por bons hábitos, sempre que se cultivem estes últimos pacientemente.

Desaloja de ti os maus hábitos, mediante o cultivo de bons hábitos em todos os aspectos de tua vida. Como filho de Deus, estás livre de toda compulsão interior; fortalece em ti a consciência desta liberdade."

(Yogananda)

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

O RELACIONAMENTO AMOROSO

"Sabemos pouco do amor, da sua extraordinária ternura e poder. Muito facilmente usamos a palavra «amor; o militar usa-a, o carniceiro usa-a, o homem rico usa-a, assim como o rapaz e a  moça. Mas sabemos pouco do amor, da sua vastidão, da sua imortalidade, da sua profundidade. Amar é ter consciência da eternidade.

O relacionamento é uma coisa estranha; muito facilmente caímos na habituação a um relacionamento particular, onde as coisas são tomadas como garantidas, com a situação aceita, não se tolerando qualquer variação; não se considera nenhum movimento em direção à incerteza, mesmo por um segundo. Tudo é de tal modo regulado, tornado «seguro», bem amarrado, quando não há qualquer hipótese de frescura, de um respirar revivificador. A isto, e a muito mais, se chama relacionamento. Se observarmos de muito perto, verificamos que o verdadeiro relacionamento é muito mais sutil, mais rápido que um relâmpago, mais vasto do que a Terra, pois ele é vida. A vida é conflito.
Queremos fazer do relacionamento uma coisa grosseira, rígida, manipulável. Deste modo, ele perde a sua fragrância, a sua beleza. Isto surge porque não amamos, e o amor é certamente a maior das coisas, pois nele acontece o completo abandono de nós mesmos. (...)

É preciso grande inteligência para um homem e uma mulher se esquecerem de si mesmos, para poderem viver juntos, não se rendendo um ao outro ou não sendo dominados um pelo outro. O relacionamento é a coisa mais difícil da vida."

J. Krishnamurti, em "Cartas a uma jovem amiga"

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

LUZ

"Onde há luz, a escuridão não pode entrar.
Não importa quanta escuridão exista, mesmo se a luz é mínima, a escuridão não pode permanecer.
Mesmo se eu tiver apenas a chama de uma pequena vela, ela começa a romper a escuridão.
Se eu aumento minha luz, a escuridão diminui.
Se eu aumento a luz mais ainda, ela não só acaba com a escuridão mas começa a transformar tudo por onde passa."

(BK)

JARDIM...

"O que é que se encontra no início?
O jardim ou o jardineiro?
É o jardineiro. Havendo um jardineiro, mais cedo ou mais tarde um jardim aparecerá.
Mas, havendo um jardim sem jardineiro, mais cedo ou mais tarde ele desaparecerá. 
O que é um jardineiro? Uma pessoa cujo pensamento está cheio de jardins.
O que faz um jardim são os pensamentos do jardineiro. O que faz um povo são os pensamentos daqueles que o compõem."

 (Rubem Alves)

INTUIÇÃO

"Todos nós temos uma sabedoria inata dentro de nós. Isso é chamado de intuição. 
Ela sempre sussurra para mim tentando me guiar, mas, às vezes, não consigo ouví-la. Quando estou muito ocupado pensando, o barulho da minha mente ocupada me impede de ouvir a sabedoria do meu coração. 
Quando relaxo a mente, eu posso ouvir meu bom senso intuitivo e uso isso para guiar minha tomada de decisão e minha resposta aos outros."

(BK)

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

CONTEMPLAÇÃO

"...o amor de Deus é como um rio que brota das profundezas da substância divina e se derrama incessantemente através da criação, comunicando, em abundância, a todas as coisas, vida, bondade e força."

(Thomas Merton, em "Novas sementes de contemplação")

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

O SERMÃO DA MONTANHA Huberto Rohden

Parte1
“Bem-Aventurados os Pobres Pelo Espírito!”

“Poucas palavras do Evangelho sofreram, através dos séculos, tão grande adulteração e ludíbrio tamanho como estas. Escritores e oradores de fama mundial, e até ministros do Evangelho, aderem à blasfêmia de que o Nazareno tenha proclamado bem-aventurados e cidadãos do reino dos céus os “pobres de espírito”, isto é, os apoucados de inteligência, os idiotas e imbecis, os mentalmente medíocres.

"Se assim fosse, o próprio Nazareno, riquíssimo de espírito, não faria parte dos bem-aventurados e possuidores do reino dos céus.

“Jesus proclama bem-aventurados, todos aqueles que são pobres, ou desapegados, dos bens terrenos...

"O verdadeiro abandono decorre da libertação interna. A questão é possuir sem ser possuído, pois todo possuído é escravo.

“...Ser rico ou ser pobre são coisas que nos acontecem, de fora — mas a arte de saber ser rico ou de ser pobre, é algo que nós produzimos, de dentro. O que nos faz bons ou maus não é aquilo que nos acontece, mas sim o que nós mesmos fazemos e somos.

“Ser rico não é pecado — ser pobre não é virtude. Virtude ou pecado é saber ou não saber ser rico ou pobre.

“...Bem-aventurados os pobres pelo espírito, os que, pela força do espírito, se emanciparam da escravidão da matéria. Deles é o reino dos céus, que está dentro do homem e esse leva consigo o reino da sua felicidade aonde quer que vá...”

Parte 2
“Bem-Aventurados os Puros de Coração”

“Puro de coração é aquele que se libertou, não só dos objetos externos, mas, também, do sujeito interno, isto é, daquilo que ele idolatrava como sendo o seu sujeito, o seu eu, embora fosse apenas o seu pseudo-eu, o seu pequeno ego físico-mental.

“De maneira que ser puro de coração é ainda mais glorioso do que ser pobre pelo espírito; ser interiormente livre da obsessão do ego vivo é mais do que ser livre da escravidão da matéria morta.

“...Enquanto o pequeno eu não tiver em si suficiente segurança interna, necessita de buscar seguranças em fatores externos; mas a segurança interna torna supérflua as seguranças externas; o pequeno eu fez tantos ‘seguros de vida’ porque não possui segurança. Age sob o impulso da lei da compensação.

“...Ninguém pode ver claramente o Deus transcendente do universo de fora antes de ver nitidamente o Deus imanente do universo de dentro.

“Nas letras sacras — como também nos escritos de Mahatma Gandhi — “impureza” quer dizer egoísmo, e “pureza” significa o oposto, que é o amor universal a solidariedade cósmica.

“Enquanto o homem não ultrapassar as estreitas barreiras do seu ego personal, está com os olhos vendados, separados de Deus por uma camada impermeável à luz, que é a impureza do coração. Por mais que um ególatra ouça falar em Deus, nada compreende, porque com­preender supõe ser. Ninguém pode compreender senão aquilo que ele vive ou é no seu íntimo ser. Entender é um ato mental, mas compreender é uma atitude vital; entender mentalmente é uma função parcial, unilateral do nosso ego humano — compreender é uma vivência total, unilateral, do nosso Eu divino. Quem não é divino não pode saber o que é Deus. O egoísta é antidivino, e por isso não pode compreender o que é divino, não pode ver a Deus, antes de adquirir “pureza de coração”.

“Ver a Deus” “ver o reino de Deus”, são ex­pressões típicas que Jesus usa para designar a experiência direta da Realidade eterna, o contato íntimo com ela. Outros crêem em Deus — mas só o puro de coração vê a Deus. O simples crer, embora necessário como estágio preliminar, não é suficiente para a definitiva redenção do homem, que consiste na vidência ou visão de Deus."

*

“Se é difícil a “pobreza pelo espírito”, muito mais difícil é a “pureza do coração”. O desapego dos bens externos é o abandono de algo que não fez, nem jamais poderá fazer parte integrante do homem algo que nunca foi nem pode ser realmente “seu” - ao passo que o ego personal faz parte integrante do homem, é “seu”, embora não seja ele mesmo; e por isso a renúncia à sua personalidade físico-mental em prol da sua individualidade espiritual é, incom­paravelmente, mais difícil do que a renúncia à cobiça dos bens externos. Parece ser uma morte para o homem que ainda não descobriu o seu eterno Eu. Mas essa morte é indispensável para a ressurreição. A coragem de arriscar ou não arriscar esse salto mortal do ego humano para o Eu divino é que divide a humanidade em dois campos: em profanos e iniciados, nos de fora e nos de dentro, em cegos e videntes, em inexperientes e experientes, em insipi­entes e em sapientes. É necessário que o homem sofra tudo isso para, assim, entrar em sua glória..."

“O despertar dessa nova vidência, que existe, dormente, em cada um de nós, requer exercício in­tenso, assíduo e prolongado, porque o homem tem de superar barreiras já estabilizadas há séculos e milênios...

“Esse exercício diário é vital consiste, principal­mente, em uma permanente atitude interna de querer servir, servir espontânea e gratuitamente a todos. Esse clima de querer servir, espontânea e gratuitamente, remove os obstáculos que existem entre nós e o Todo (Deus), porque diminui gradualmente o egoís­mo unilateral e exclusivista e aumenta a solidariedade inclusivista, que uns chamam altruísmo, outros amor, outros ainda benevolência universal. Com essas práticas diárias, a muralha opaca que se ergue entre nós e Deus se torna cada vez mais transparente, permitindo-nos a visão da grande Luz.”

Parte 3
“Bem-Aventurados os Mansos..."

“O homem que encontrou o seu Eu divino é necessariamente manso.

“Todos os seres que não atingiram a consciência espiritual recorrem à violência para conseguirem os seus fins. Os irracionais só conhecem violência ma­terial. O homem, depois de intelectualizado, desco­briu outro tipo de violência muito mais eficiente, que é a violência mental... são certos argumentos analíticos de que a inteligência se serve para conseguir os seus fins próprios da personalidade do ego.

“Quando o homem descobre em si as potências di­vinas, desiste definitivamente de toda e qualquer espécie de violência física e mental. Não mais confia em máquinas e aparelhos materiais manobrados pela força do intelecto, nem recorre às energias do mundo astral para conseguir efeitos de magia mental a atuarem sobre o mundo visível.

“O homem auto-realizado descobriu a essência de si mesmo e de todas as coisas, essência essa que é imaterial, e por isso não mais o interessam as aparências periféricas, que os profanos consideram realidades.

“Por isto, não há para o homem manso de coração motivo algum para recorrer à fraqueza da violência brutal, quando ele possui a força da suavidade e benevolência espiritual."

*

“O que, à primeira vista, causa estranheza nessa bem-aventurança é a promessa de que os mansos possuirão (ou herdarão) a “terra”... A humanidade imperfeita que agora habita esta terra com suas vibrações baixas e pesadas terá de passar por muitos estágios de evolu­ção, em outros mundos, outros planetas ou nos espaços intersiderais, e, após longos milênios de experiências e sofrimentos, voltará ela, purificada e com outras vibrações, a habitar esta terra, transforma­da em um habitáculo de seres puros. Esses homens puros serão “mansos”, isto é, não violentos; nada farão por meio de força bruta, tudo farão com força espiritual. O espírito da força será substituído pela força do espírito

“Violenta non durante*, diziam os antigos pensadores romanos; as coisas violentas não duram — as coisas suaves têm duração garantida, embora a sua atuação inicial seja, quase sempre, lenta e quase imperceptível. Uma bomba atômica destrói uma cidade inteira em poucos segundos, ao passo que uma semente viva leva séculos inteiros para construir uma árvore no seio da floresta. Aqui, a força suave da vida — acolá a força brutal da morte.

“Amar incondicionalmente, é o caminho mais curto e rápido às alturas da compreensão integral e universal.”


Continua...

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

FALE

Se você pode usar suas palavras para libertar alguém, então não fique em silêncio.